Postado em 05/02/2019 - Fonte: Sescon-SP

Evento internacional promovido pela FENACON e SESCON-SP teve início em São Paulo

Você já conhece o Internacional Desk? É uma rede de relacionamento entre países para fomento de negócios, com a participação ativa de entidades profissionais oficiais de cada país envolvido, empresas associadas e players de mercado, como as câmaras de comércio, por exemplo. Na prática, o Internacional Desk se traduz em oportunidade de network internacional, melhoria do ambiente de negócios entre os países participantes e estímulo com assertividade de negócios entre as empresas representadas.

Começamos a semana com um intercâmbio Brasil Itália por conta do II Road Show - International Desk, evento que reúne mais de 40 empresários e contadores italianos para debater com brasileiros sobre ambiente de negócios, regime de tributação, oportunidades e incentivos fiscais. São Paulo é a primeira parada do grupo italiano para uma programação que vai até o dia 9 de fevereiro, passando também por Campinas, Brasília, Minas Gerais e Rio de Janeiro, com temas técnicos sobre legislação, economia, mercado, regulamentação fiscal brasileira e investimentos.

O presidente do SESCON-SP Reynaldo Lima Junior iniciou o encontro ressaltando a importância do International Desk para os países envolvidos: “De forma nunca antes vista, colocaremos a classe contábil como protagonista do ambiente empreendedor no mundo. Ocuparemos o papel de fomentadores de novos negócios e de assessores internacionais de empresas. Esta grande rede de colaboração que criamos certamente fará a diferença para o desenvolvimento econômico e para a cooperação entre países”. 

Ainda na abertura do II Road Show International Desk, o presidente Fenacon, Sérgio Approbato Machado Júnior, falou sobre como surgiu a iniciativa. “Começou quando foi detectado um problema latente de empresas italianas tentando se instalar no Brasil, mas que estavam sendo mal orientadas. Então nos perguntamos: a quem elas devem procurar? Acreditamos que o grande interlocutor das empresas são os empresários contábeis, pois são os profissionais que mais entendem as mudanças tributárias e da legislação. Foi criado então um comitê para estruturar a ideia e permitir que empresas italianas entrem no projeto. Agora, estamos alterando os critérios do produto para readequação e ampliação.” 

Segundo Giovanni Parenti, presidente da associação que está aplicando o International Desk no consiglio Nationale dei Dottori Commercialist e delgil Esperti Contabil, a primeira fase do projeto se desenvolveu de forma exponencial. “Depois dos encontros de 2017 entendemos que o projeto tinha potencial para ser ampliado para todo o mundo. Hoje temos Argentina e Paraguai, além da Itália. Chile, Uruguai e França também estão interessados em participar desta plataforma.”

Para Filippo La Rosa, cônsul geral da Itália em São Paulo, um evento como este une ainda mais Brasil e Itália. “O Brasil é chamado o país do futuro e há décadas esperamos uma decolagem definitiva. É verdade que empresários estrangeiros encontram muitas dificuldades ao empreender no Brasil, mas a partir do momento que entendem como tudo funciona, dificilmente vejo alguém encerrar atividades em nosso país. Temos de entender o Brasil como um livro a ser lido e não como uma lição aprendida. O Brasil não é para principiantes.”

A primeira palestra do II Road Show International Desk foi sobre passos e critérios para internacionalização das empresas, por Jean-Claude Siberfeld, diretor de Relações Internacional da FecomercioSP. Segundo ele, fazer negócios com o Brasil é como fazer negócios com o mundo, devido sua dimensão e diferentes regulamentações por todo o território. “Nossa economia estável, mas a burocracia é excessiva.” Ele também falou sobre mercado e hábitos de consumo dos brasileiros.

Em seguida, sobre perspectivas econômicas e políticas do novo governo brasileiro, falou Thomas Zanotto, diretor do departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior da Fiesp: "Tributação e contabilidade são os pontos mais complexos quando se fala em empreendedorismo de empresas estrangeiras no Brasil. A expectativa é que em breve tenhamos uma reforma tributária no Brasil, o que traria uma significativa redução de impostos, de acordo com as propostas do novo governo. O potencial do Brasil é muito grande, precisa apenas ajustar alguns pontos como as reformas necessárias e investimentos em infraestrutura. Apesar da carência em diversas áreas, mesmo assim o Brasil consegue ser competitivo." 

A programação do II Road Show International Desk também contou com consultoria para investimentos: Sergio Costa, diretor da Investe São Paulo, falou sobre oportunidades e incentivos fiscais: “O que aparentemente parece vantajoso para a empresa pode ser, na verdade, uma série de custos mascarados e regras mal explicadas. Somos a agência de investimentos oficial do Estado de São Paulo e trabalhamos em parceria com as entidades de fomento ao empreendedorismo. Nosso interesse é que empresas italianas que venham para São Paulo deem certo.” Segundo Costa, o papel da Investe São Paulo é dar uma assessoria sem custo nas áreas ambiental, tributária e de infraestrutura, orientando sobre leis e regras. “Nossa função é garantir segurança jurídica para que empresas estrangeiras sejam competitivas no mercado brasileiro”.

Silvana Gomes, diretora da São Paulo Negócios, agencia municipal de promoção de negócios e investimentos, falou sobre a cidade de São Paulo como o maior destino de negócios da América Latina e explicou a metodologia de atuação da consultoria. “Trabalhamos com programas de apoio ao investidor, selecionando as melhores iniciativas de empresários já ambientados no Brasil para auxiliar novos empreendedores interessados no mercado da cidade de São Paulo”.

Na parte jurídica do II Road Show International Desk, Alexandre Ramos, gerente jurídico da Fiesp, falou sobre conformidades e regulamentos brasileiros seguidos pela Operação Lava Jato, maior operação anticorrupção já realizada no Brasil, iniciada em 2014 com uma investigação de lavagem de dinheiro em postos de combustíveis. "Brasil hoje é referência no combate à corrupção.” Ramos apresentou normas de regulamentação criadas com base nas leis anticorrupção, seus critérios e sanções. “Há multas que podem inviabilizar o negócio.” 

Vanessa De Lucca, sócia da ELBAC, contou sua experiência como empresária italiana de sucesso no Brasil, em atividade desde 2010: “Passamos por meses difíceis, mas conseguimos nos estruturar a ponto de superarmos os períodos de crise econômica e política. Hoje somos uma empresa sólida no Brasil. A legislação é complicada, há muita burocracia, mas é possível prosperar neste país. O importante é andar de mãos dadas com o nosso contador”. 

Para explicar como funciona a área burocrática no Brasil durante o II Road Show International Desk, Wilson Gimenes, vice-presidente administrativo da Fenacon, falou sobre a nossa experiência com a Nota Fiscal Eletrônica e o Sistema Público de Escrituração Digital – SPED. “A transformação dos documentos fiscais físicos em eletrônicos provocou um grande avanço nas transações comerciais entre fornecedores e clientes. Trouxe benefícios para governo e empresas, como padronização, redução de fraudes e da sonegação, diminuição do impacto ambiental e da burocracia. Já com o SPED o governo conseguiu abranger e controlar todas as informações prestadas pelas empresas, de forma a realizar o cruzamento entre os dados apresentados por elas e aqueles levantados pelo sistema.”

Sobre impactos fiscais sobre investimentos no Brasil nos termos do Tratado da Dupla Tributação, falou o cônsul Sergio Sirabella, da Legalitax. Ele apresentou um panorama internacional, explicando vantagens e oportunidades fiscais para as empresas. “Nosso trabalho consiste em elencar erros procurando evitar ou corrigir distorções tributárias que possam prejudicar empresas italianas interessadas em estabelecer negócios no Brasil.” 

Finalizando a programação de palestras, Giovanni Cappietti, conselheiro da A.I.C.E.C. fez uma apresentação do Deck Itália no International Desk e se mostrou entusiasmado com o andamento do projeto. "É muito importante o papel da nossa associação neste processo e essa plataforma vai sobressair de forma única na relação internacional entre empresas".

A assessora Sophia Costa explicou o envolvimento da ApexBrasil no International Desk: “A ideia é trabalhar como agência em nível federal recebendo demandas de empresas estrangeiras interessadas em fazer investimentos produtivos, com foco em setores de tecnologia para geração de empregos no Brasil. Temos conhecimento dos setores prioritários em todos os Estados brasileiros e fazemos a interlocução e suporte para o investidor com cada Estado, sem custo, orientando sobre indicadores de mercado, rede de fornecedores, projeções e demais processos essenciais para tomada de decisão.”

Este primeiro dia do II Road Show International Desk encerrou com uma rodada de negócios voltada para contadores e seus clientes nas áreas de interesse: petróleo e gás, telecomunicações, finanças, gestão pública, educação, comércio, indústria química e indústria automobilística.

 

 

Comente »